• Arquivos categorizados Gestão
  • Série 16 Erros – Erro 06 – plano de contingência

    plano-bbSun Tzu o maior estrategista da história descreve que temos que transformar nossa desvantagem em maior vantagem. As vitórias ou derrotas na vida empresarial representam etapas no processo de aprendizagem. É sempre bom manter-se motivado, mas é péssimo criar expectativas  que podem nos cegar ou ensurdecer.

    Certa vez, um casal de fisioterapeutas que tinha uma pequena clínica resolveu contratar um consultor  com o objetivo de motivar a equipe de sua empresa através de um PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. O propósito seria conseguir tornar a equipe mais coesa, justamente, para melhorar as chances de sobrevivência no mercado. Ao longo do treinamento, esses profissionais “revelaram-se”, e,  acabaram saindo da empresa, iriam, tentar, desbravar o mercado sozinhos. Um dos sócios, então, perguntou:

    – E agora, ninguém vai ajudar a gente a pagar as contas da clínica, vamos ter que fechar?

    O outro na mesma hora respondeu:

    – Não, vamos ter a oportunidade de transformar a clínica em algo que sempre desejamos. Vamos informatizar, vamos criar campanhas de marketing, vamos melhorar as condições de trabalho para as pessoas do suporte e vamos morar na clínica, assim, teremos os funcionários, já pagos pela clínica nos ajudando com os afazeres domésticos e ainda não gastaremos com aluguel. Vamos, assim, fazer mais com menos, Será, agora, o momento da virada.

    Isso aconteceu há 14 anos, e, até hoje a Clínica Somma, ainda está de pé, e é nela que fundamentamos todas as nossas idéias de gestão e empreendedorismo em fisioterapia. Infelizmente o mesmo não aconteceu com aqueles que saíram. Alguns deixaram a profissão e outros apresentam grandes dificuldades de estabelecer-se num determinado ponto comercial devido ao custo de todo o processo.

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 05 – contratar muitas pessoas e gerar despesas administrativas elevadas.

    sem fazer nadaO ciclo anúncio->venda->prestação de serviço->pagamento de contas e fornecedores->anúncio será o mesmo,  seja numa pequena ou grande empresa. A grande diferença é que na de grande porte existem inúmeros setores para realizar as diferentes funções.  Já num pequeno negócio de fisioterapia isso precisa ser revisto. Não podemos nos dar ao luxo de contratarmos profissionais, muitas vezes, necessários, mas que devido às dificuldades de mercado tornam-se caros. Outra situação bem comum é disponibilizar inúmeros serviços na empresa e tentar cobrir o custo de um com o ganho do outro, parasitando, dessa forma, o que é lucrativo.  Numa empresa o pessoal de apoio deve estar o “mais preparado” possível para assumir algumas funções temporárias. A grande sabedoria será nunca fazer “economia de palito”,  mas somente gastar com recursos humanos ou equipamentos que realmente são imprescindíveis. Somente invista em informática se você for realmente utilizá-la profissionalmente, não compre equipamentos de eletroterapia que ficarão encostados, não fique com o ar condicionado ligado numa sala pequena por achar que o consumo será maior se você for ligá-lo novamente. Lembre-se que na faculdade você tinha que investir em conhecimentos técnicos, como empresário você precisará investir em conhecimentos gerenciais.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 04 – projetar custos muitos baixos e formar preços de forma incorreta.

    O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que  deve cobrar  somente pelo "trabalho dele", e isso é um erro básico, pois  a empresa terá um "custo" para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo,
    O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que deve cobrar somente pelo “trabalho dele”, e isso é um erro básico, pois a empresa terá um “custo” para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo,

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    Numa loja de sapatos, quando alguns não são vendidos,  permanecem no estoque. No mês seguinte, através de uma promoção, ou empenho dos vendedores, essa venda poderá ser concluída. Já nos serviços de Saúde isso não acontece, pois o que é comercializado, além da remuneração do profissional especializado, é o tempo que a empresa disponibiliza para a prestação desses. O proprietário deve entender que, esse, depois de perdido, não volta. O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que  deve cobrar  somente pelo “trabalho dele”, e isso é um erro básico, pois  a empresa terá um “custo” para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo, além disso, terá um segundo custo na hora de receber os valores pagos, serão os impostos, chamamos isso de custo variável. A  negligência sobre esses aspectos gera um erro no calculo do preço a ser cobrado(precificação). Nunca esqueça:

    1) Cálculo dos custos fixos sobre a hora de funcionamento da empresa

    2) Estimativa de lucro desejada pela empresa

    3) Probabilidade de faltas aos atendimentos

    4) Cálculo dos custos variáveis sobre o valor a ser cobrado

     

    Abraço a todos

     

    Luis Henrique Cintra

     

     


  • Série 16 Erros – Erro 03 – subestimar necessidades financeiras

    2015_05_06_erro_03
    O empresário terá custos fixos prestando o serviço ou não, e custos variáveis de acordo com os valores emitidos nas notas fiscais ou no pagamento de comissões.

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    Há 2 momentos bem distintos na prestação de serviços de saúde: o primeiro é quando trabalhamos recebendo salário, produtividades ou bônus. Esse, talvez, seja o mais comum, e,  na maioria das vezes, pensamos que é o único custo que o proprietário do serviço apresenta. O segundo momento é quando nós, proprietários, temos que pagar um “CUSTO FIXO”, ou seja, atendendo ou não, o empresário terá que arcar com custos mensais para manter o lugar funcionando. Além desses, haverá, ainda,  os “CUSTOS VARIÁVEIS”. Como o nome diz, que variam de acordo com o faturamento. Numa empresa de serviços de saúde, tais custos surgirão de acordo com as notas fiscais que serão emitidas ou com comissões aos funcionários. Negligenciar essas necessidades poderá ser fatal para qualquer negócio em saúde.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 02 – superdimensionamento, rápido retorno e participação abrangente no mercado.

    Antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.
    Antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    É  muito comum, hoje, Profissionais de Saúde, aprimorarem-se antes mesmo de concluírem seus estudos formais.  Isso, às vezes, ocorre por acreditarem que o mercado terá as portas abertas para suas idéias, muitas vezes fundamentadas, infelizmente, em ilusões mercadológicas. A pressa, movida pela paixão, de ter o retorno de seus investimentos o mais rápido possível os faz não dedicar tempo suficiente para analisar as perspectivas do seu negócio em 2,3 ou 5 anos, expondo-os, dessa forma, ao risco de quebrar antes mesmo de concluir empréstimos feitos no início de seu sonho. Outro ponto importante, é que, muitas vezes, esquecemos que a grande maioria dos clientes que necessitarão utilizar os serviços de saúde desejarão fazê-lo através de seu plano de saúde e não através do relacionamento direto com empresa prestadora de serviços. Não venho, contudo, estimular futuros empreendedores a buscar credenciamentos com Operadoras de Planos de Saúde, mas não esquecer dessa realidade de mercado.

    Por tudo isso, antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 01 – seu negócio em Saúde é viável?

    Ter ou expandir um negócio necessita muito mais que boa vontade. A pressa não ajudará em nada.
    Ter ou expandir um negócio necessita muito mais que boa vontade. A pressa não ajudará em nada.

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    Profissionais de saúde são apaixonados pelo que fazem. É muito gratificante promover, manter ou restabelecer  a saúde, seja, essa, física ou psíquica.

    Contudo, ter ou expandir um negócio necessita muito mais que boa vontade. A pressa não ajudará em nada. Recomendo que todos procurem entender o que é um PLANO DE NEGÓCIO. Esse, feito com calma, e de maneira sistemática, não garantirá o seu sucesso, mas poderá diminuir os erros tão comuns na abertura e expansão de novos empreendimentos.

    Há muitos locais que podem ajudá-lo nesse sentido: Sebrae, Consultores ou escolas de empreendedorismo podem lhe ser bem úteis. O método Canvas(Business Model Generation) pode ser um ótimo começo.

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra


  • Você conhece o Ponto de Equilíbrio da sua clínica?

    20150413_blog_pontodeequilibrio
    Muitas vezes ficamos impressionados com o volume de atendimento, somos convencidos por quem deseja “transferir um problema” que iremos ganhar no volume.

    Nós Serviços de Saúde, assim como em toda empresa, temos custos fixos, custos variáveis e demais despesas comuns para o funcionamento diário do estabelecimento.

    Se somarmos todos os custos acima mencionados e dividirmos pelo número de atendimentos que realizamos nos mês teremos uma média de quanto custou cada atendimento. É preciso lembrar que dentro desses custos deve estar explícito o pró-labore proprietário, trabalhando como “funcionário especializado” ou não.

    Definimos como ponto de equilíbrio a quantidade de atendimentos que uma empresa de saúde deve realizar para que não tenha nem lucro, nem prejuízo. Isso parece óbvio, mas muitas vezes nos coloca em situações financeiras desagradáveis. Se não vejamos.

    Imagine que após um estudo detalhado você chegou a conclusão que precisaria atender 100 pessoas a um valor de R$ 20,00 para chegar em seu ponto de equilíbrio. Se você aceita uma proposta que corresponde a 40% desse valor, ou seja, você aceita R$ 8,00 por esse procedimento você precisará de 250 atendimentos para atingir o Ponto de Equilíbrio. Isso significa que para você “empatar”, precisará realizar 150% a mais de atendimentos, porém não devendo gastar nada a mais para isso, será que é possível? Com esse volume de atendimento, você como prestador, resolveu o problema da operadora, resolveu o problema do cliente, e, você, como prestador de serviços não ganhou absolutamente nada.

    Muitas vezes ficamos impressionados com o volume de atendimento, somos convencidos  por quem deseja “transferir um problema” que iremos ganhar no volume. ISSO PODE ATÉ FUNCIONAR NO COMÉRCIO DE PRODUTOS, MAS NÃO EM  SERVIÇOS. Lembre-se que fazer 1 venda de 1000 é diferente de fazer 1000 vendas de 1.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra

     


  • Provisione para não ser pego de surpresa

    20150408_blog_provisão
    Reservando valores para o pagamento dos custos fixos e variáveis de seu negócio, você acumulará um maior capital de giro no futuro livrando-o consequentemente dos temíveis juros bancários.

    Em qualquer negócio, nada pode ser tão desconfortável como uma gasto que não estava previsto. É lógico que não poderemos prever todas as situações, mas a negligência sobre o cotidiano pode nos custar não apenas alguns reais, mas, o nosso próprio negócio.  Por isso devemos tentar  desenvolver o habito de PROVISIONAR.
    Usaremos como exemplo o pagamento do décimo terceiro salário por esse ser mais didático. Imaginemos que sua folha de pagamento mais encargos seja de R$ 3600,00 (três mil e seiscentos reais). Esse valor deverá ser dividido por 12 e provisionado numa conta a parte logo a partir de janeiro, ou seja, todos os meses, além do pagamento normal de sua folha você precisaria provisionar R$ 300,00 para pagar o décimo de seus funcionários.
    A provisão poderá ser feita com diferentes objetivos. Reservando valores para o pagamento dos  custos fixos e variáveis de seu negócio, você acumulará um maior capital de giro no futuro livrando-o consequentemente dos temíveis juros bancários.

    Luis Henrique Cintra


  • Sazonalidade na prestação de serviços de saúde

    2015_04_01_blog_sazonalidade
    As vezes, o pagamento vindo das OPS leva em torno de 60 a 90 da data do inicio de tratamentos seriados.(psicoterapia, fisioterapia etc.)

    O termo Sazonalidade relaciona-se ao período em que o fluxo de serviço prestados numa empresa de saúde diminui. Não devemos confundir tal termo com a presença de dinheiro em caixa.

    Na psicologia, por exemplo, a prestação dos serviços normalmente se dá de maneira seriada. É comum que as clientes não compareçam em “dias imprensados” de feriados, por exemplo. É comum também que o fluxo de atendimentos na semana do Natal, também, diminua. Contudo, para os serviços que trabalham com “dor” e principalmente a “dor aguda” tais situações podem inverter e aquelas instituições que  “abrirem suas portas” estarão apresentando um diferencial.

    O recebimento de valores pode acontecer ou não nos períodos de sazonalidade baixa, isso acontece justamente com o pagamento vindo das Operadoras de Planos de Saúde que levem em torno de pelo menos 60 ou 90 dias para pagar a partir do início dos atendimentos

    O dinheiro em caixa poderá aumentar também justamente quando os serviços são vendidos à vista  e diretamente aos consumidores. Esse, ajuda no pagamento das contas mensais contudo na grande maioria dos serviços de saúde esses valores não ultrapassam, infelizmente, 30% do faturamento total.

    O estudo da sazonalidade pode ser de suma importância no planejamento financeiro ou logístico da empresa de prestação de serviços de saúde. Redução de custos fixos, planejamento, marketing e estudo de provisões poderão nos ajudar a passar por tal período, sendo portanto uma boa época para estudarmos como nossa empresa está caminhando.

    Luis Henrique Cintra