• Estágio em Fisioterapia, direito do estudante.

    2015_03_24_blog_lhc_estagio
    O estágio deve ser feito em serviços públicos de saúde e sempre sob supervisão.

    O estágio é uma período de grandes descobertas para a vida de qualquer pessoa que deseja seguir uma profissão tão sonhada e planejada. È uma fase que vamos nos identificar ou não com a rotina de trabalho e de comprovar as tantas teorias faladas por horas intermináveis nos bancos da faculdades.

    Há 100 anos, ainda nos primeiros serviços de Fisioterapia, pessoas leigas eram contratadas como “auxiliares” de médicos que eram os responsáveis por serviços imensos de Fisioterapia. Esses auxiliares conduziam os pacientes ao longo de todo o tratamento e executavam o que vinha prescrito pelo colega chefe do serviço.

    Hoje, a Fisioterapia se desenvolveu no campo científico, educacional, político e empresarial. Somos uma opção de negócio, não podemos ter atitudes que não apenas banaliza nossos conceitos como nos prejudica a médio e longo prazo. Quando um acadêmico vai para um estágio sem supervisão, ele se comporta como o auxiliar que há 1 século executava técnicas, não tinha responsabilidade sobre seu serviço e nem precisava ter o nível médio. O acadêmico de Fisioterapia estuda para ser um “profissional de saúde” e não um executor de ordens.

    Infelizmente, muito amigos acadêmicos ficam iludidos com a promessa de um futuro emprego na área já que estão “estagiando no local”. Isso não acontece, pois o quadro de estagiários é renovado e será sempre mais caro ter um profissional que um estudante.

    O estágio deve ser feito em serviços públicos de saúde e sempre sob supervisão, já que a presença de um professor como responsável técnico é imprescindível. É assim em profissões mais antigas como a Medicina e Odontologia.

    Se você acadêmico, não se afastar dos estágios extracurriculares feitos nas grandes clínicas você não conseguirá entrar no mercado. Nenhum curso ou “experiência”vai garantir vaga para você quando estiver formado, pelo menos é o que eu observo, já que recebo semanalmente currículos de recém-formados que quando leio vejo o quanto estagiaram em clínicas que hoje lhe dão as costas.

     

    Luis Henrique Cintra

    Consultor de Negócios em Saúde


  • Fisioterapeuta, conheça a TUSS.

    2015_04_14_TUSS
    Desde o início da Prestação de Serviços Fisioterapêuticos no Brasil que as OPS baseavam-se na tabela da AMB e descreviam procedimentos fisiátricos. É importante salientar, que essa tabela não menciona valores, esses são discutidos no mercado, mas, terminologia.

    A TUSS ou Terminologia Unificada da Saúde Suplementar é uma tabela que foi criada pela ANS (Agência Nacional de Saúde) e tem como objetivo padronizar a nomenclatura utilizada pelas diferentes OPS (Operadoras de Planos de Saúde). Foi criada pela IN 42 da ANS em 2010, Instrução revogada pela IN 51 que regulamenta a RN nº 305, de 09 de outubro de 2012, e institui o Sistema de Gestão do Padrão TISS.

    Desde o início da Prestação de Serviços Fisioterapêuticos no Brasil que as OPS baseavam-se na tabela da AMB e descreviam procedimentos fisiátricos. É importante salientar, que essa tabela não menciona valores, esses são discutidos no mercado, mas, terminologia.

    Hoje, após um trabalho incansável do Coffito e de colegas como Marlene Izidro, Tatiana Rodrigues,Tulio Germano Machado Cordeiro, Iaponira Pimentel, Antônio Tomáz de Aquino, Morgana Sfreddo, Paula de Souza Cardoso e Silva, Mário Luis da Silva Pereira, Fernando Muniz dentre outros, nós, Fisioterapeutas conseguimos codificar nosso Referencial de Procedimentos de acordo com a TUSS. Isso significa que as operadoras precisarão adequar-se a nossa nomenclatura e não mais utilizar tabelas próprias ou então tabelas médicas que não descrevem nossa realidade.

    A formalização de Associações é importantíssimo para o início de qualquer negociação com os planos de saúde, pois o prestador nunca terá força suficiente para negociar a longo prazo com a as operadoras. Atualmente, existem em torno de 18 associações já formadas e trabalhando em parceria com os Conselhos para juntos alcançar nossos objetivos.

    Um abraço,

    Luis Henrique Cintra


  • Financiamento ou empréstimo? Entenda a diferença.

    2015_03_20_blog_lhcO empreendedor que deseja realizar alguma atividade que vise construir, melhorar ou ampliar suas instalações ou serviços deve sempre preferir uma atividade de financiamento invés de empréstimos.

    Os financiamentos são, normalmente, mais burocráticos, e especificamente destinados a um propósito como a aquisição de microcomputadores, veículos etc. É comum também que seja exigida uma garantia sobre o que foi financiado. Há programas em que a garantia é o próprio bem financiado. Falamos que o bem está “alienado” até a quitação da operação. As vantagenes do financiamento são:

    • Disponibilidade de valores mais altos;
    • Prazos estendidos
    • Jjuros mais baixos,

    Ttudo isso devido, muitas vezes, à importante participação do governo em subsidiar a operação.

    Os empréstimos são mais simples e muitas vezes já disponibilizados para o cliente na abertura de sua conta. Os recursos liberados são, normalmente, em valores mais baixos, porém com taxas de juros bem maiores. Veremos que há vários tipos de empréstimos, em termos financeiros o que diferencia-os é a rapidez para sua utilização.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Entendendo a Saúde Suplementar

    2015_03_pal_unifor
    Palestra Unifor – 16/03/2015

    A Fisioterapia é uma profissão que tem pouco mais de 40 anos, somos jovens e aguerridos. Contudo, para que possamos usufruir de todo o nosso potencial necessitamos aprimorar-nos não somente em questões técnicas que permeiam nosso cotidiano, mas também em conhecimento de gestão e empreendedorismo.

    A convite de Prof.Paulo Henrique Palácio da UNIFOR(Universidade de Fortaleza) proferi a palestra “Entendendo a Saúde Suplementar”. A aula foi dividida em 6 momentos:

    • Um pouco de história
    • O que é um plano de saúde?
    • O que é uma OPS?
    • O que é ANS?
    • O que são Honorários?
    • Rotinas Gerenciais

    Isso foi feito visando demonstrar como foi formada a saúde suplementar no Brasil, seu desafios e perspectivas. Espero ter criado mais dúvidas que certezas, pois assim aprimoramos nosso senso crítico e espírito empreendedor.

    Um abraço, amigos.

    Luis Henrique Cintra


  • Luis Henrique Cintra

    Luis Henrique Cintra Consultor

    Mais que fisioterapeuta, Luís Henrique é um professor nato. Desde o início de sua trajetória profissional, adquiriu alguns atributos característicos dos grandes mestres. Luís aprendeu a observar, analisar e sintetizar suas reflexões em lições importantes para a construção de seu sucesso profissional.

    Natural de Fortaleza, Luís viajou o país em busca de conhecimento. Os estudos o levaram a Campinas, Brasília e Salvador. Mal voltou à sua terra natal, foi convidado a lecionar na Faculdade Fanor DeVry, compartilhando o conhecimento adquirido em sua trajetória profissional. Desde então não largou mais a área da educação.

    Além de compartilhar palestras em todo o país, Luís tem se destacado como consultor em serviços de saúde, ajudando a estruturar, reorganizar e ampliar empresas de sucesso.

    Tenho certeza que os leitores desse blog desfrutarão de informações  imprescindíveis para a elaboração e gestão de seus projetos.

    Karla Alcoforado

    Comunic Propaganda


  • Série Entidades de Classe – União? Para quê mesmo?

     

    Uniao para queEm março de 2013 alguns Fisioterapeutas desbravando caminhos que todos já conhecemos revolveram criar uma associação de prestadores de serviços de fisioterapia, surgiu assim a APRECEFISIO. Essa entidade representa a união de empresas e consultórios que visam conseguir uma remuneração justa sobre os honorários atualmente pagos pelas Operadoras de Planos de Saúde. Vencendo as dificuldades que o cotidiano impõe, em menos de 3 meses , nossa associação já estava totalmente regularizada. Filiada a FENAFISIO(Federação Nacional das Associações de Prestadores) segue o objetivo principal de implantação do Referencial Nacional de Honorários Fisioterapêuticos, atualmente disponibilizado no site do Coffito.

    Em agosto de 2013 fomos surpreendidos com uma medida arbitrária da Operadora Camed que, alegando uma determinação da ANS, reduzia nossos honorários pela metade. Imediatamente nos reunimos e conseguimos garantir que os antigos contratos fossem mantidos até novas negociações. Essa Operadora partiu então para  a NEGOCIAÇÃO INDIVIDUAL no intuito de pressionar cada empresa. Inúmeras reuniões, pareceres, comentários  e fofocas circularam sobre esse tema dentro dos negócios em Fisioterapia do Estado do Ceará  Fato  é que várias clinicas receberam o comunicado de descredenciamento dessa operadora após relatarem que não concordavam em receber valores abaixo do que antes recebiam. Alguma tiveram isso ainda em Dezembro/2013 e outras para agora final de janeiro/2014.

    Após 20 anos de formado e convivendo com tais OPS há 16 anos vejo que se cada empresa for sempre olhar somente para os seus problemas individuais, jamais conseguiremos alcançar uma conquista que possa ser efetivamente importante para nossa classe.  Atualmente, os prestadores de serviços fisioterapêuticos possuem a a ANS(Agência Nacional de Saúde) que ajuda na regulamentação dos contratos firmados entre esses e as operadoras. Acredito que se não soubermos utilizar essa vantagem em nosso favor ficará bem difícil a sobrevivência dos serviços de Fisioterapia pelos próximos 10 anos, contudo, não esqueçamos que a parte mais forte de nosso grupo é sempre o elo mais fraco.

    Luis Henrique Cintra

    Fisioterapeuta Consultor


  • Seleção de Fisioterapeuta na Clínica Somma

    Hidroterapia

     

    A Clínica Somma está recebendo currículos para seleção de Fisioterapeuta que deseja trabalhar com Fisioterapia Aquática. Os interessados devem enviar seus currículos para curriculo@clinicasomma.com.br. A vaga é para o turno da manhã e a remuneração será fixa + produtividade.

     

    Luis Henrique Cintra

    Fisioterapeuta Diretor


  • Os barquinhos, reflexão sobre a vaidade.

    SONY DSCEra uma vez um barquinho chamado CONHECIMENTO. Conhecedor dos 7 mares ele ficava horas imaginando como seria entrar mar a dentro, pois, como se dedicava muito na busca do saber não tinha tempo para praticá-lo.

    Certo dia surgiu uma jangada chamada PRÁTICA. Essa sim, realizava todas as manobras no mar e logo chamou a atenção do CONHECIMENTO. Ela, embora muito decidida, não sabia como chegar aos seus objetivos, pois preocupava-se somente na realização das manobras marítimas e nunca com o planejamento.

    Os 2 começaram a namorar e as coisas corriam bem, mas a VAIDADE que andava perambulando solitária pelo mundo seduziu os 2 com um mapa muito bonito chamado ÍMPETO. Esse era tão poderoso que cegava e ensurdecia quem o utilizasse.

    O CONHECIMENTO foi o primeiro a ser fisgado. Dizia ele, agora, não depender mais da PRÁTICA. Porém, bastou uma tempestade branda que esse quase naufragou. Com muito esforço conseguiu chegar em terra firme.

    A PRÁTICA resolveu se aventurar muitas milhas da costa. O ÍMPETO substituiria o CONHECIMENTO, e isso seria suficiente, mas se viu perdida sem saber como voltar. Foi por pura sorte que um vento a jogou em terra firme depois de 1 semana a deriva em alto mar.

    Um tempo depois um sábio ouvindo a história de amor se desfazer pela VAIDADE passou a aconselhar os jovens lhe entregando um talismã chamado HUMILDADE. Dividido em 2 partes iguais o mesmo só teria poder se ambos permanecessem juntos. Quando o CONHECIMENTO e PRÁTICA não andam de mãos dadas surge a VAIDADE mostrando que o ÍMPETO é o melhor caminho, mas ainda bem a HUMILDADE os mantém unidos para navegarem sem parar levando paz e harmonia para toda a humanidade.

    Um abraço,

    Luis Henrique Cintra


  • Caminhando juntos.

    fisioterapeuta

    A história das profissões é tão antiga quanto a história da humanidade. Somos o que resolvemos fazer diariamente. Assim sendo, nossas atividades profissionais vão muito além de meras ocupações para gerar dinheiro, mas caracteriza o nosso papel no mundo.

    Atualmente, a Fisioterapia no Brasil está em franca evolução. Não me limitarei, aqui, em descrever avanços científicos, pois esses já são bem notórios, mas de conquistas políticas e sociais que nos firmam como verdadeiros profissionais da saúde.
    Se um dia fomos técnicos, hoje não mais. Se um dia dependemos de encaminhamentos com receitinhas, hoje não mais. Se um dia éramos “empregados” que tínhamos que seguir o que o “chefe” mandava, hoje somos PROFISSIONAIS LIBERAIS, FISIOTERAPEUTAS EMPRESÁRIOS que geram emprego e renda, contribuindo, dessa forma, para o crescimento de nosso país.

    O MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA FISIOTERAPIA é uma realidade, e AQUELE QUE NEGLIGÊNCIA ISSO perderá uma excelente oportunidade de VERDADEIRAMENTE CONTRIBUIR para NOSSA PROFISSÃO. Pensamentos podem até inspirar, palavras, podem até convencer, mas somente gestos consolidam nossos planos.

    Não devemos esperar a atitude ou o exemplo de ninguém para criarmos nossa independência. Pois, isso, na essência já é uma dependência.

    Por tudo isso faço aqui o meu apelo a todos os ACADÊMICOS, COORDENADORES DE CURSO, FISIOTERAPEUTAS E EMPRESÁRIOS DA FISIOTERAPIA – VAMOS CAMINHAR JUNTOS, POIS, CONQUISTAS ISOLADAS SÃO MOMENTÂNEAS, MAS CONQUISTAS COLETIVAS SÃO ETERNAS.

    Um abraço,

    Luis Henrique Cintra