Cheguei aos quarenta, e agora?

Produzimos conhecimento sim, nos reproduzimos sim, geramos emprego sim, educamos nos filhos sim e demos aos nossos pais o orgulho de ser o que eles não puderam. Essa é verdade ou pelo menos a esperança.
Produzimos conhecimento sim, nos reproduzimos sim, geramos emprego sim, educamos nos filhos sim e demos aos nossos pais o orgulho de ser o que eles não puderam. Essa é verdade ou pelo menos a esperança.

É engraçado escrever sobre a sensação dos 40 anos. Parece uma idade sem identidade, achamos que temos vinte, desenvolvemos valores que nos tornam mais velhos, ou melhor, mais chatos e nos deprimimos por tudo que deixamos de fazer no viço da juventude.

Escuto muitos amigos dizerem que seriam muito mais felizes se aos vinte tivessem a experiência dos 40. Eu acho que não, pois não teriam a adrenalina do que é proibido ou perigoso.O estoicismo parece surgir na fase certa de nossa caminhada. Em quase todas as religiões no mundo a figura do renascimento é presente, pois essa sensação parece está presente aos 40 também. Uma fase que surge de acordo com um velho ditado “a vida começa aos 40 e termina aos 80” nos deixa frágeis e inseguros da mesma forma que quando tínhamos 20. Mulheres e homens nessa fase pensam que o outro só quer usufruir do tão sonhado dinheiro que cada um conseguiu, e ambos continuam solitários. A Humanidade é a mesma.

Hoje estamos, muitas vezes,  sem bens materiais, sem paixões e sem amigos e com muita, muita inveja de quem tem. Achamos que para ter isso o dinheiro vai ser sempre a mola propulsora, pois a os mimos da juventude não nos são mais permitidos. Tentamos feito loucos emagrecer, conviver com pessoas bonitas e usar roupas que nos tornem eternos “jovens” mas, o que conseguimos muitas vezes é chegar ao ridículo sem muito esforço.

Não ficamos ricos como sonhávamos, não permanecemos belos como esperávamos e não mudamos o mundo como acreditávamos, mas fizemos a nossa parte. A vaidade, o pecado preferido, nos cegou e não permitiu que víssemos tudo que fizemos ao longo de todo esse tempo…

Produzimos conhecimento sim, nos reproduzimos sim, geramos emprego sim, educamos nos filhos sim e demos aos nossos pais o orgulho de ser o que eles não puderam. Essa é verdade ou pelo menos a esperança.

Vamos celebrar o nosso renascimento, pois continuaremos lutando, para que os nossos filhos possam contribuir para a humanidade assim como fizemos e para quando cheguarem aos quarenta venham a pensar como estamos nesse momento.

Abraço a todos,

Luis Henrique Cintra


0 Respostas para Cheguei aos quarenta, e agora?

  1. Avatar Rafaela Páscoa
    Rafaela Páscoa diz:

    Lindo texto, traduz perfeitamente o que sentimos rumo aos quarenta! Não tão longe do renascimento! Obrigada por compartilhar com nós estas palavras tão verdadeiras! Grande abraço campeão, quando crescer quero ser como vc! Minha admiração!