Que aprendamos a não depender do Estado.

2016_01_06_N_dependerAcabou, 2015, sem dúvidas, não foi um ano que desaparecerá da mente de nós, brasileiros, que saímos de casa sem saber se voltamos, se o presidente ainda estará no cargo ou se encontraremos uma montanha de dejetos cobrindo nossa casa.

A lama em Mariana, misturou-se a uma enxurrada de denúncias, crimes, corrupções, fraudes, enfim atitudes que cansam e desanimam o mais positivo dos brasileiros.

A crise econômica, comum no sistema capitalista, veio à tona de forma exponencial devido a pedaladas fiscais, aumentos retroativos, inflação de dois dígitos etc. O desemprego bate à porta das classes menos favorecidas, pois o comércio e a prestação de serviços vem sofrendo perdas progressivas.

Recebi um gráfico de um amigo que fala a que sonegação fiscal no Brasil soma mais de 1 trilhão de reais. Não entendo de números, mas, acredito que grande parte desses “sonegadores” são, na realidade, pequenas empresas que fazem de tudo para permanecerem abertas, ou então, da economia informal feita nas feiras e na internet.

Que em 2016 nós aprendamos a não depender tanto do Estado para nossos empreendimentos. Que saibamos exercer nossa cidadania diariamente e não apenas em anos eleitorais através da intolerância estampada nas redes sociais. Que nosso trabalho gere riqueza para nós mesmos e não para um Estado letárgico que com suas garras sangra o empreendedorismo através de medidas burocráticas, impostos indevidos e juros que paralisam a economia.

Abraços a todos,

Luís Henrique Cintra