• Arquivo de marcações blog fisioterapia
  • Série 16 Erros – Erro 06 – plano de contingência

    plano-bbSun Tzu o maior estrategista da história descreve que temos que transformar nossa desvantagem em maior vantagem. As vitórias ou derrotas na vida empresarial representam etapas no processo de aprendizagem. É sempre bom manter-se motivado, mas é péssimo criar expectativas  que podem nos cegar ou ensurdecer.

    Certa vez, um casal de fisioterapeutas que tinha uma pequena clínica resolveu contratar um consultor  com o objetivo de motivar a equipe de sua empresa através de um PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. O propósito seria conseguir tornar a equipe mais coesa, justamente, para melhorar as chances de sobrevivência no mercado. Ao longo do treinamento, esses profissionais “revelaram-se”, e,  acabaram saindo da empresa, iriam, tentar, desbravar o mercado sozinhos. Um dos sócios, então, perguntou:

    – E agora, ninguém vai ajudar a gente a pagar as contas da clínica, vamos ter que fechar?

    O outro na mesma hora respondeu:

    – Não, vamos ter a oportunidade de transformar a clínica em algo que sempre desejamos. Vamos informatizar, vamos criar campanhas de marketing, vamos melhorar as condições de trabalho para as pessoas do suporte e vamos morar na clínica, assim, teremos os funcionários, já pagos pela clínica nos ajudando com os afazeres domésticos e ainda não gastaremos com aluguel. Vamos, assim, fazer mais com menos, Será, agora, o momento da virada.

    Isso aconteceu há 14 anos, e, até hoje a Clínica Somma, ainda está de pé, e é nela que fundamentamos todas as nossas idéias de gestão e empreendedorismo em fisioterapia. Infelizmente o mesmo não aconteceu com aqueles que saíram. Alguns deixaram a profissão e outros apresentam grandes dificuldades de estabelecer-se num determinado ponto comercial devido ao custo de todo o processo.

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 04 – projetar custos muitos baixos e formar preços de forma incorreta.

    O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que  deve cobrar  somente pelo "trabalho dele", e isso é um erro básico, pois  a empresa terá um "custo" para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo,
    O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que deve cobrar somente pelo “trabalho dele”, e isso é um erro básico, pois a empresa terá um “custo” para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo,

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    Numa loja de sapatos, quando alguns não são vendidos,  permanecem no estoque. No mês seguinte, através de uma promoção, ou empenho dos vendedores, essa venda poderá ser concluída. Já nos serviços de Saúde isso não acontece, pois o que é comercializado, além da remuneração do profissional especializado, é o tempo que a empresa disponibiliza para a prestação desses. O proprietário deve entender que, esse, depois de perdido, não volta. O Profissional de Saúde, muitas vezes, pensa que  deve cobrar  somente pelo “trabalho dele”, e isso é um erro básico, pois  a empresa terá um “custo” para que o serviço seja executado, isso é chamado custo fixo, além disso, terá um segundo custo na hora de receber os valores pagos, serão os impostos, chamamos isso de custo variável. A  negligência sobre esses aspectos gera um erro no calculo do preço a ser cobrado(precificação). Nunca esqueça:

    1) Cálculo dos custos fixos sobre a hora de funcionamento da empresa

    2) Estimativa de lucro desejada pela empresa

    3) Probabilidade de faltas aos atendimentos

    4) Cálculo dos custos variáveis sobre o valor a ser cobrado

     

    Abraço a todos

     

    Luis Henrique Cintra

     

     


  • Um dia para nos representar.

    Que as leis eliminem os déspotas, mas que não crucifiquem aqueles que tiveram por opção, ou necessidade, decidiram não depender do Estado para construir uma nação.
    Que as leis eliminem os déspotas, mas que não crucifiquem aqueles que decidiram  por opção, ou necessidade,  não depender do Estado para construir uma nação.

    Primeiro de Maio,  Dia Dnternacional do Trabalho, celebração universal da atividade que nos caracteriza, nos identifica, nos põe em contato com outras pessoas ou entidades para realizarmos aquilo que melhor sabemos.

    Hoje, comemoro, também, o aniversário de uma pessoa muito especial, Carlos Augusto Vasconcelos Cintra Junior, paulistano, trabalhador, casado e com uma família linda. Esse, me deu a oportunidade de exercer, de agir, pondo em prática tudo que havia estudado com tanto afinco. Um forte abraço, meu primo.

    No congresso nacional vivemos o tema da Terceirização. Confesso que não o estudei ainda, mas acredito na força da pequena empresa, do prestador de serviços, no empresário individual e no MEI(Microeempreendedor individual) na construção de nossa cidadania e autonomia. Infelizmente, no Brasil, não vivenciamos a cultura do empreendedorismo como deveríamos.

    Talvez o mais difícil trabalho a ser realizado seja o sobre si.  Um monge asceta Evágrio do Ponto (c. 346-399/400) descreveu 7 atitudes(pecados (capitais), antes mencionadas no Judaísmo, no Cristianismo e noutras crenças, que valem ainda hoje, mas, infelizmente, ainda são negligenciados por muitos de nós.(fonte: http://goo.gl/F1nUCb)

    Que esse Primeiro de Maio sirva para refletirmos sobre o que queremos, mas também como queremos e quais as ações fazemos para alcançarmos tais objetivos. Que as leis eliminem os déspotas, mas não crucifiquem aqueles que decidiram por opção, ou necessidade, não depender do Estado para construir uma nação.

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra


  • Série 16 Erros – Erro 02 – superdimensionamento, rápido retorno e participação abrangente no mercado.

    Antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.
    Antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.

    A Série 16 Erros é será publicada todas as quartas-feiras apontando os erros mais comuns para quem desejar abrir um negócio em saúde.

    É  muito comum, hoje, Profissionais de Saúde, aprimorarem-se antes mesmo de concluírem seus estudos formais.  Isso, às vezes, ocorre por acreditarem que o mercado terá as portas abertas para suas idéias, muitas vezes fundamentadas, infelizmente, em ilusões mercadológicas. A pressa, movida pela paixão, de ter o retorno de seus investimentos o mais rápido possível os faz não dedicar tempo suficiente para analisar as perspectivas do seu negócio em 2,3 ou 5 anos, expondo-os, dessa forma, ao risco de quebrar antes mesmo de concluir empréstimos feitos no início de seu sonho. Outro ponto importante, é que, muitas vezes, esquecemos que a grande maioria dos clientes que necessitarão utilizar os serviços de saúde desejarão fazê-lo através de seu plano de saúde e não através do relacionamento direto com empresa prestadora de serviços. Não venho, contudo, estimular futuros empreendedores a buscar credenciamentos com Operadoras de Planos de Saúde, mas não esquecer dessa realidade de mercado.

    Por tudo isso, antes de abrir seu negócio, ou investir na sua carreira procure definir seu público, apresentar algo que o diferencie, verificar parceiros, selecionar mão-de-obra especializada, entender as formas de relacionamento e de divulgação de seu serviço.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Série Contratos – RN 363, artigo 4.

     A grande maioria das OPS basear-se-á no ROL de PROCEDIMENTOS DA ANS para a celebração do contrato.
    A grande maioria das OPS basear-se-á no ROL de PROCEDIMENTOS DA ANS para a celebração do contrato.

    Art. 4° Os contratos escritos devem estabelecer com clareza as condições para a sua execução, expressas em cláusulas que definam os direitos, obrigações e responsabilidades das partes, incluídas, obrigatoriamente, as que determinem:

    I – o objeto e a natureza do contrato, com descrição de todos os serviços contratados;

    II – a definição dos valores dos serviços contratados, dos critérios, da forma e da periodicidade do seu reajuste e dos prazos e procedimentos para faturamento e pagamento dos serviços prestados;

    III – a identificação dos atos, eventos e procedimentos assistenciais que necessitem de autorização administrativa da Operadora;

    IV – a vigência do contrato e os critérios e procedimentos para prorrogação, renovação e rescisão;

    e

    V – as penalidades para as partes pelo não cumprimento das obrigações estabelecidas.

    Parágrafo único. A definição de regras, direitos, obrigações e responsabilidades estabelecidos nas cláusulas pactuadas devem observar o disposto na Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e demais legislações e regulamentações em vigor.

    COMENTÁRIOS

      • INCISO (I): o que a operadora está contratando com você. A grande maioria basear-se-á no ROL de PROCEDIMENTOS DA ANS para isso. Esse tem nomenclatura própria e relacionar-se-a com a TUSS onde devemos nos basear no código 500000. Não esqueçamos, ainda, o procedimento 31602185 que descreve a Estimulação Elétrica Transcutânea.
      • INCISO (II):
        • Valores: quais serão? Devemos nos basear no RNPF
        • Critérios: o que será levado em conta para que os valores sejam reajustados?
        • Forma: como será feito o reajuste? Obsevar o índice utilizado, quando não existe acordo, a ANS determina o índice.
        • Periodicidade: de quanto em quanto tempo será feito o reajuste? Isso deve ser anual.
        • Faturamento: como deverá ser todo o processo burocrático para o envio das faturas?
        • Pagamento: como será feito o pagamento?
      • INCISO (III): é muito comum a operadora “mudar” os atos de autorização no “meio do caminho”. Daí, cada procedimento a ser realizado deve ter uma padronização de como deve-se agir. Acontece, ainda, que algumas operadoras glosam os procedimentos mesmo emitindo uma autorização prévia.
      • INCISO (IV):
        • Vigência: não podemos confundir isso como periodicidade para reajuste, que deve ser anual.
        • Critérios e procedimentos para prorrogação, renovação e rescisão: os contratos muitas vezes se renovam automaticamente, isso deve está escrito. O mesmo deve acontecer para rescisão, normalmente, um prazo de 30 dias é estipulado.

    Luis Henrique Cintra


  • Sazonalidade na prestação de serviços de saúde

    2015_04_01_blog_sazonalidade
    As vezes, o pagamento vindo das OPS leva em torno de 60 a 90 da data do inicio de tratamentos seriados.(psicoterapia, fisioterapia etc.)

    O termo Sazonalidade relaciona-se ao período em que o fluxo de serviço prestados numa empresa de saúde diminui. Não devemos confundir tal termo com a presença de dinheiro em caixa.

    Na psicologia, por exemplo, a prestação dos serviços normalmente se dá de maneira seriada. É comum que as clientes não compareçam em “dias imprensados” de feriados, por exemplo. É comum também que o fluxo de atendimentos na semana do Natal, também, diminua. Contudo, para os serviços que trabalham com “dor” e principalmente a “dor aguda” tais situações podem inverter e aquelas instituições que  “abrirem suas portas” estarão apresentando um diferencial.

    O recebimento de valores pode acontecer ou não nos períodos de sazonalidade baixa, isso acontece justamente com o pagamento vindo das Operadoras de Planos de Saúde que levem em torno de pelo menos 60 ou 90 dias para pagar a partir do início dos atendimentos

    O dinheiro em caixa poderá aumentar também justamente quando os serviços são vendidos à vista  e diretamente aos consumidores. Esse, ajuda no pagamento das contas mensais contudo na grande maioria dos serviços de saúde esses valores não ultrapassam, infelizmente, 30% do faturamento total.

    O estudo da sazonalidade pode ser de suma importância no planejamento financeiro ou logístico da empresa de prestação de serviços de saúde. Redução de custos fixos, planejamento, marketing e estudo de provisões poderão nos ajudar a passar por tal período, sendo portanto uma boa época para estudarmos como nossa empresa está caminhando.

    Luis Henrique Cintra


  • Financiamento ou empréstimo? Entenda a diferença.

    2015_03_20_blog_lhcO empreendedor que deseja realizar alguma atividade que vise construir, melhorar ou ampliar suas instalações ou serviços deve sempre preferir uma atividade de financiamento invés de empréstimos.

    Os financiamentos são, normalmente, mais burocráticos, e especificamente destinados a um propósito como a aquisição de microcomputadores, veículos etc. É comum também que seja exigida uma garantia sobre o que foi financiado. Há programas em que a garantia é o próprio bem financiado. Falamos que o bem está “alienado” até a quitação da operação. As vantagenes do financiamento são:

    • Disponibilidade de valores mais altos;
    • Prazos estendidos
    • Jjuros mais baixos,

    Ttudo isso devido, muitas vezes, à importante participação do governo em subsidiar a operação.

    Os empréstimos são mais simples e muitas vezes já disponibilizados para o cliente na abertura de sua conta. Os recursos liberados são, normalmente, em valores mais baixos, porém com taxas de juros bem maiores. Veremos que há vários tipos de empréstimos, em termos financeiros o que diferencia-os é a rapidez para sua utilização.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Entendendo a Saúde Suplementar

    2015_03_pal_unifor
    Palestra Unifor – 16/03/2015

    A Fisioterapia é uma profissão que tem pouco mais de 40 anos, somos jovens e aguerridos. Contudo, para que possamos usufruir de todo o nosso potencial necessitamos aprimorar-nos não somente em questões técnicas que permeiam nosso cotidiano, mas também em conhecimento de gestão e empreendedorismo.

    A convite de Prof.Paulo Henrique Palácio da UNIFOR(Universidade de Fortaleza) proferi a palestra “Entendendo a Saúde Suplementar”. A aula foi dividida em 6 momentos:

    • Um pouco de história
    • O que é um plano de saúde?
    • O que é uma OPS?
    • O que é ANS?
    • O que são Honorários?
    • Rotinas Gerenciais

    Isso foi feito visando demonstrar como foi formada a saúde suplementar no Brasil, seu desafios e perspectivas. Espero ter criado mais dúvidas que certezas, pois assim aprimoramos nosso senso crítico e espírito empreendedor.

    Um abraço, amigos.

    Luis Henrique Cintra