• Arquivo de marcações honorários
  • Salário – Muito para quem paga, pouco para quem recebe.

    2016_02_12_salarioUma das tarefa mais difíceis para o empresário da saúde está no pagamento de salário para seus  colaboradores. Não é novidade que a folha de pagamento numa empresa prestadora de serviços dessa área está entre os cinco ítens mais caros e não é a toa que circula no congresso nacional projeto de lei visando a terceirização de mão de obra. Abordaremos nesse post uma metodologia para que possamos quantificar o pagamentos de salários para os profissionais de saúde.

    1) Verifique se você tem a necessidade daquele profissional. Isso parece óbvio, porém, um estudo do mercado se faz necessário para que contratemos um profissional por aquilo que a empresa possa comportar. NUNCA CONTRATE OU FAÇA PARCERIAS POR CONVENIÊNCIA.

    2) Certifique-se com o profissional qual seria a sua capacidade laboral sem que haja comprometimento da qualidade do serviço, o PARÂMETROS ASSISTENCIAIS podem ser um guia..

    3) Calcule o custo da hora de funcionamento de seu estabelecimento tendo ou não atendimento prestado(custos fixos).

    4) Calcule o custo variável que você poderá de acordo com o volume de atendimentos prestados. Lembre-se que, teoricamente, todos os atendimentos serão tributados.

    5) Nunca esqueça que além do que é pago ao trabalhador existem ainda os encargos sociais.

    6) Veja com seu contador qual melhor regime tributário a ser enquadrado, o SIMPLES foi uma grande conquista para algumas empresas de saúde como as prestadoras de serviços de Fisioterapia.

    8) Seja cordial com seus funcionários, mas nunca dependente.

    9) Verifique junto ao sindicato da categoria o piso salarial garantido pela convenção coletiva.

    10) A melhor forma de tornar-se invisível ao Estado é fazer sempre a coisa certa.

    É muito comum, em empresas iniciantes, que se pague um percentual sobre o atendimento. O proprietário resolve isso acreditando que o profissional se estimulará em captar os clientes. Minha experiência aponta isso como um erro, percentual sobre atendimento somente deve ser pago após os custos fixos gerados pelo atendimento terem sido cobertos. Ao invés disso, um sistema de metas pode ser uma boa alternativa.

    Abraço a todos,

    Luis Henrique Cintra


  • Série Entidades de Classe – União? Para quê mesmo?

     

    Uniao para queEm março de 2013 alguns Fisioterapeutas desbravando caminhos que todos já conhecemos revolveram criar uma associação de prestadores de serviços de fisioterapia, surgiu assim a APRECEFISIO. Essa entidade representa a união de empresas e consultórios que visam conseguir uma remuneração justa sobre os honorários atualmente pagos pelas Operadoras de Planos de Saúde. Vencendo as dificuldades que o cotidiano impõe, em menos de 3 meses , nossa associação já estava totalmente regularizada. Filiada a FENAFISIO(Federação Nacional das Associações de Prestadores) segue o objetivo principal de implantação do Referencial Nacional de Honorários Fisioterapêuticos, atualmente disponibilizado no site do Coffito.

    Em agosto de 2013 fomos surpreendidos com uma medida arbitrária da Operadora Camed que, alegando uma determinação da ANS, reduzia nossos honorários pela metade. Imediatamente nos reunimos e conseguimos garantir que os antigos contratos fossem mantidos até novas negociações. Essa Operadora partiu então para  a NEGOCIAÇÃO INDIVIDUAL no intuito de pressionar cada empresa. Inúmeras reuniões, pareceres, comentários  e fofocas circularam sobre esse tema dentro dos negócios em Fisioterapia do Estado do Ceará  Fato  é que várias clinicas receberam o comunicado de descredenciamento dessa operadora após relatarem que não concordavam em receber valores abaixo do que antes recebiam. Alguma tiveram isso ainda em Dezembro/2013 e outras para agora final de janeiro/2014.

    Após 20 anos de formado e convivendo com tais OPS há 16 anos vejo que se cada empresa for sempre olhar somente para os seus problemas individuais, jamais conseguiremos alcançar uma conquista que possa ser efetivamente importante para nossa classe.  Atualmente, os prestadores de serviços fisioterapêuticos possuem a a ANS(Agência Nacional de Saúde) que ajuda na regulamentação dos contratos firmados entre esses e as operadoras. Acredito que se não soubermos utilizar essa vantagem em nosso favor ficará bem difícil a sobrevivência dos serviços de Fisioterapia pelos próximos 10 anos, contudo, não esqueçamos que a parte mais forte de nosso grupo é sempre o elo mais fraco.

    Luis Henrique Cintra

    Fisioterapeuta Consultor