• Arquivo de marcações profissional liberal
  • Você quer um emprego?

    2016_01_16_bom_empregoSempre que convidado para palestrar me sinto revigorado em poder falar para um certo grupo de pessoas sobre algo que vivencio. Cada plateia é única, mas, a dúvida, o descrédito, a indiferença, e, até, a esperança é comum em todas.

    O Setor Saúde sofre mudanças importantes e é preciso entendê-las para o ingresso no mercado seja menos  traumático. Embora esteja descrito em nossa Constituição – “A saúde é direito de todos e dever do Estado (art 196)”- tal realidade,ainda parece utópica para maioria de nossa população. Esperar políticas públicas para atingir o sucesso como profissional pode não ser uma boa ideia.

    Infelizmente, é bem notório que as instâncias governamentais cada vez mais realizam “seleções” e não “concursos públicos, isso causa grande instabilidade para o desenvolvimento de uma carreira mais duradoura por tais lugares.

    A remuneração paga por empresas privadas fica diretamente relacionada aos valores pagos pelas OPS causando, por fim, precariedade frente aos direitos trabalhistas.

    O profissional de saúde do futuro deve:

    • Ser apto a exercer suas habilidades e competências sem esperar que alguém o mande
    • Reciclar-se por livre iniciativa
    • Entender dos custos indiretos que a sua contratação formal gera
    • Agir com ética, mas com proatividade
    • Atender primeiro às necessidades do cliente
    • Focar-se em resultados e não detalhes
    • Ser DISPONÍVEL
    • Desenvolver a habilidade de adaptar-se
    • Ser cumpridor de horários

    Enfim, para se ter um bom emprego o profissional deve comportar-se como LIBERAL e não replicador de procedimentos.

     

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra


  • Um dia para nos representar.

    Que as leis eliminem os déspotas, mas que não crucifiquem aqueles que tiveram por opção, ou necessidade, decidiram não depender do Estado para construir uma nação.
    Que as leis eliminem os déspotas, mas que não crucifiquem aqueles que decidiram  por opção, ou necessidade,  não depender do Estado para construir uma nação.

    Primeiro de Maio,  Dia Dnternacional do Trabalho, celebração universal da atividade que nos caracteriza, nos identifica, nos põe em contato com outras pessoas ou entidades para realizarmos aquilo que melhor sabemos.

    Hoje, comemoro, também, o aniversário de uma pessoa muito especial, Carlos Augusto Vasconcelos Cintra Junior, paulistano, trabalhador, casado e com uma família linda. Esse, me deu a oportunidade de exercer, de agir, pondo em prática tudo que havia estudado com tanto afinco. Um forte abraço, meu primo.

    No congresso nacional vivemos o tema da Terceirização. Confesso que não o estudei ainda, mas acredito na força da pequena empresa, do prestador de serviços, no empresário individual e no MEI(Microeempreendedor individual) na construção de nossa cidadania e autonomia. Infelizmente, no Brasil, não vivenciamos a cultura do empreendedorismo como deveríamos.

    Talvez o mais difícil trabalho a ser realizado seja o sobre si.  Um monge asceta Evágrio do Ponto (c. 346-399/400) descreveu 7 atitudes(pecados (capitais), antes mencionadas no Judaísmo, no Cristianismo e noutras crenças, que valem ainda hoje, mas, infelizmente, ainda são negligenciados por muitos de nós.(fonte: http://goo.gl/F1nUCb)

    Que esse Primeiro de Maio sirva para refletirmos sobre o que queremos, mas também como queremos e quais as ações fazemos para alcançarmos tais objetivos. Que as leis eliminem os déspotas, mas não crucifiquem aqueles que decidiram por opção, ou necessidade, não depender do Estado para construir uma nação.

    Abraço a todos

    Luis Henrique Cintra